Tesouro Direto. O investimento de menor risco do mercado.

O Mapa do Tesouro

 

Certamente você gostaria de fazer seu dinheiro render mais do que a poupança, investindo com  o mesmo grau de segurança.

Você conhece o investimento considerado de menor risco do mercado brasileiro?

Estou falando do investimento no Tesouro Direto:

O programa do Tesouro Nacional criado em 2002 com o objetivo de democratizar o acesso da população aos títulos públicos.

 

Com menos de R$100,00 você já pode começar a investir e sem sair de casa.

Além disso, o processo é inteiramente é feito pela internet.

Outra vantagem. são os diferentes tipos de rentabilidade (prefixada, ligada à variação da inflação ou mesmo à variação da taxa Selic), prazos de vencimentos e fluxos de pagamentos de juros.

Dessa forma, o Tesouro Direto. se torna atrativo para os mais variados tipos de investidor.

Você pode estar desperdiçando a oportunidade de investir com total praticidade e segurança

Veja o exemplo abaixo:

Se há 10 anos, você tivesse feito um único depósito de  R$ 1 mil na caderneta de poupança, contaria hoje com R$ 1.996,29. Porém, se com os mesmos R$ 1 mil, você tivesse investido no Tesouro Selic*,  você teria  cerca de R$ 2.300 (já descontados os  impostos)

Nada mal para um investimento que é considerado o de menor risco no país

O TESOURO SELIC

Único titulo público com rentabilidade indexada a taxa Selic, o Tesouro Selic, mais conservador dentre todos disponíveis no Tesouro Direto, oferece ao investidor 100 % da taxa Selic, em outras palavras, é um investimento que paga 100 % do CDI

Leia também!  Você conhece a ANBIMA?

Por isso, além de  sua baixa volatilidade, é  bastante indicado para  investidores pouco familiarizados com as variações do mercado financeiro.

No exemplo acima, os resultados são baseados em investimento no Tesouro Selic*

 

No entanto, se levarmos em conta o excelente desempenho dos títulos indexados a inflação, principalmente  entre outubro de 2015  e março de 2018, chegaremos a resultados ainda mais animadores – estes  títulos renderam em média mais de 65%, o equivalente a um ganho médio de quase 20% ao ano.

Apesar das dificuldades de se acertar o momento exato de entrar ou de sair num determinado investimento, algumas sinalizações dadas por fatores conjunturais nos dão pistas de como nos posicionarmos.

Exemplo disso está descrito no meu posicionamento dado em entrevista concedida a Dukascopy, em meados de setembro de 2017, quando enxerguei espaço para quedas adicionais da taxa Selic e que capturaram um bom rendimento nas modalidades sugeridas naquela ocasião:

Quando esta entrevista foi concedida a Selic estava a 8,25 % a.a. – Confira o Histórico das Taxas de Juros 

 

Perspectivas para o Tesouro Direto

 

E o que devemos esperar para os próximos meses, principalmente diante do atual cenário de incertezas?

Acredito que teremos oportunidades interessantes no Tesouro Direto, especialmente com o avanço de reformas importantes para o quadro fiscal brasileiro.

Estas oportunidades têm sido sugeridas aos investidores que seguem o Mapa do Tesouro: Recomendações de Tesouro Direto.

Leia também!  Long & Short o que é e como fazer

 

CARLOS SOARES, CNPI
Economista e Analista de Investimentos

 

(Visited 11 times, 1 visits today)

Carlos Soares

Economista formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo | PUC-SPAnalista de Investimentos Certificado e Credenciado junto à APIMEC (Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais)Profissional com 16 anos de atuação no mercado financeiro, com passagens pelo pregão da Bolsa, atuando como analista em consultorias de investimentos e research de corretoras de valores mobiliários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *