CDB: Entenda essa modalidade de investimento.

 

O que é CDB?

CDB – Certificado de depósito bancário é um título que as instituições financeiras

emitem afim de  captar recursos suas atividades.

 

Desta forma, o CDB é um instrumento de troca:

O investidor (você) empresta seu dinheiro ao banco

Em troca o  banco lhe paga juros.

 

 

Mas porque os bancos fazem isso?

 

Para entender melhor, vamos entender o conceito de SPREAD BANCÁRIO.

Você já se perguntou de onde vem os lucros astronômicos dos bancos?

Pois bem, a maior parte da renda gerado por um banco vem do SPREAD BANCÁRIO

 

É dessa forma que surge um dos principais meios de lucro das instituições, o conhecido SPREAD bancário,

que nada mais é que a diferença entre os juros pagos no dinheiro captado de terceiros e o juros pagos pelos clientes que tomam empréstimo no banco.

 

Falarei mais sobre o SPREAD bancário em outro artigo.

 

Como investir?

O primeiro passo é possuir uma conta em um banco ou corretora

O segundo passo é definir por quanto tempo irá deixar o dinheiro aplicado,

para que assim possa escolher um CDB com um prazo e rentabilidade que atenda sua necessidade e objetivo.

 

 

Rentabilidade

O cliente pode optar por três formas de rentabilidade, a pré-fixada, a pós-fixada ou a híbrida.

Na rentabilidade pós-fixada o cliente irá acordar com o banco um percentual de uma referência que será paga,

Leia também!  Como são Tributados os Investimentos de Renda Fixa.

essa referência (indexador) normalmente é a taxa DI, conhecida como CDI, ou a taxa SELIC (taxa básica de juros).

 

Vamos a um exemplo, João contratou um CDB pós-fixado que paga 98% do CDI,

logo se o CDI estiver em 6,39% ao ano João irá receber 6,26% ao ano bruto.

 

Essa forma de rentabilidade é a mais segura entre elas, pois, acompanha todas as mudanças da taxa básica de juros.

 

Vale ressaltar que outros investimentos de renda fixa como LCI, LCA, CRI’s, entre outros, também utilizam,

como forma de rentabilidade,o pagamento de um percentual de um indexador como o CDI.

 

Na rentabilidade pré-fixada o cliente irá acordar o rendimento com a instituição no momento da contratação,

como por exemplo, 10% ao ano por 2 anos.

 

Essa forma de rentabilidade é mais indicada em momentos econômicos em que se acredita que as taxas de juros irão cair e quer se garantir um retorno mais alto que a SELIC por mais tempo.

 

Já na rentabilidade Híbrida, temos uma mistura da pré com a pós-fixada, ou seja, parte da rentabilidade é pré-fixada e a outra parte é pós-fixada.

Exemplo: CDB com rendimento de 5%+IPCA (índice de preços ao consumidor amplo).

 

 

Prazo/liquidez

Atualmente existem diversos prazos que podem ser contratados, desde liquidez diária até prazos mais longos como 2 ou 8 anos.

Leia também!  Você conhece a ANBIMA?

Existe ainda uma correlação positiva muito clara entre a rentabilidade oferecida pela instituição financeira e o prazo de resgate.

Logo, quanto maior o prazo de resgate, maior a rentabilidade oferecida pela instituição.

 

 

Tributação

Como grande parte das aplicações em renda fixa, essa também é tributada de acordo com a tabela regressiva de  imposto de renda conforme prazo.

A tributação incide somente sobre o rendimento e se inicia com alíquota de 22,5% de 1 a 180 dias, 20,0% de 180 a 360 dias,17,5% de 360 a 720 dias e, 15% acima de 720 dias.

Vale lembrar que esse tipo de investimento também possui IOF (Imposto sobre Operação Financeira)

cobrado até o 29º dia contado da aplicação inicial, após esse prazo passa a ser isento desse imposto.

 

 

Riscos

O risco de se investir em um CDB é tão somente o risco de crédito da instituição emissora, ou seja,

o risco de a emissora não honrar com os pagamentos para seus credores.

Contudo, todos CDB’s possuem garantia do FGC (Fundo Garantidor de Crédito) até 250 mil reais por CPF/CNPJ ou instituição financeira/conglomerado,

limitando-se a 1 milhão de reais renovável a cada 4 anos.

Caso deseje investir mais de 250 mil reais, uma dica é dividir seu capital em títulos de bancos diferentes.

Nesse aspecto vale conferir a classificação de risco (Rating) do emissor.

Leia também!  Conheça o FGC - O Fundo Garantidor de Crédito

 

 

Bons investimentos.

Forte abraço.

 

 

 

 

(Visited 9 times, 1 visits today)

Kaio S. Valverde

Especialista em investimentos pela ANBIMA( Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais), certificados CPA 10, CPA 20 e CEA. Graduado em Direito, atua desde 2012 na distribuição de produtos de investimento para clientes de diversos segmentos em grandes instituições financeiras. Atua também como planejador e consultor financeiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *